Amazônia Assembleia Legislativa do Amazonas Brasília Câmara Municipal de Manaus Cidades Ciência Cotidiano Economia Educação Energia
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
23/08/2019 | 17:00 - Brasil / Política

SP. Wilson Lima diz que investimentos estrangeiros na Amazônia devem estar alinhados a políticas públicas

Divulgação- Secom

“Não adianta fazer investimentos em situações pontuais, temos que atacar a base, por exemplo, a questão da regularização fundiária talvez seja o maior problema da Amazônia. Hoje há áreas queimando que eu não tenho como responsabilizar alguém porque eu não há um título definitivo daquela terra, não sabemos quem é o dono. Às vezes há dúvida se aquela é uma área de preservação ambiental ou não e a gente precisa caminhar nesse sentido”, afirmou o governador.


O governador do Amazonas, Wilson Lima, defendeu hoje, em entrevista à TV Estadão, em São Paulo, que os recursos frutos de acordos de cooperação internacional devem estar alinhados às políticas públicas para a região amazônica e não a ações pontuais. Ele disse, ainda, que é preciso aprofundar as discussões sobre o Fundo Amazônia, para que se encontre um caminho de consenso para que esse investimento, tão importante para a preservação dos recursos naturais da região, não seja perdido.

“Não adianta fazer investimentos em situações pontuais, temos que atacar a base, por exemplo, a questão da regularização fundiária talvez seja o maior problema da Amazônia. Hoje há áreas queimando que eu não tenho como responsabilizar alguém porque eu não há um título definitivo daquela terra, não sabemos quem é o dono. Às vezes há dúvida se aquela é uma área de preservação ambiental ou não e a gente precisa caminhar nesse sentido”, afirmou o governador.

Wilson Lima destacou que é necessário aprofundar a discussão sobre o Fundo Amazônia e ver de que forma os governos estaduais da região poderão tratar os acordos de cooperação internacionais.

“No Amazonas, nós temos uma parceria com o KFW, um banco alemão, feita diretamente com o Estado. Mas no momento em que tivermos uma definição sobre o Fundo Amazônia, vamos discutir esse desenho, inclusive, com os donos desse dinheiro, Noruega e Alemanha, para eles destinarem esses recursos para a Amazônia, se seria diretamente com os governadores, através de consórcio, se se criaria um fundo, a gente vai ter que desenhar isso aí. Lembrando que nós precisamos desses recursos sim, da Noruega, Alemanha e de outros países que queiram investir na Amazônia”, destacou.

O governador afirmou que o Estado do Amazonas tem feito a sua parte, no que diz respeito ao combate às queimadas e aos desmatamentos ilegais na região. “Nós temos uma equipe permanente de controle, assim que nós começamos a identificar os primeiros focos de calor, no início de agosto, eu determinei estado de emergência, já vislumbrando essa possibilidade do aumento das queimadas e montamos uma força-tarefa para trabalhar conjuntamente com o Ibama, com as prefeituras e alguns órgãos do Governo do Estado, como Secretaria de Meio Ambiente, Ipaam, que é o nosso órgão de fiscalização, e a Polícia Ambiental”.

Wilson Lima destacou, ainda, novas tecnologias que têm ajudado a identificar responsáveis por queimadas ilegais. “Lançamos também o sistema de monitoramento geoespacial, onde é possível identificar esses focos de queimada com imagens de satélite de até 10 metros de altura, casando com outras informações e monitoramentos para identificar o responsável pela aquela área e quem estaria queimando essa área e responsabilizando. Já começamos a mandar as notificações, prevendo multas, inclusive, prisões”, destacou o governador.

Responsabilidade de todos

Além do esforço feito pelo Governo do Amazonas, Wilson Lima alertou que a atual situação das queimadas na Amazônia é de responsabilidade de todos. “Eu não estou isentando ninguém de responsabilidade. A responsabilidade é minha, é do presidente da República, da sociedade civil organizada. Todo mundo tem responsabilidade nisso. E é uma responsabilidade que tem que ser assumida por todo mundo e não adianta nesse momento jogar a culpa em ninguém. O que tem que se fazer é tomar ações, tomar atitudes para se resolver o problema. É a gente mandar um recado muito sério para as pessoas que insistem em fazer essas queimadas na Amazônia. Mandar esse recado para o mundo de o quanto a gente está preocupado com a preservação dos nossos recursos naturais. Não esquecendo que quem precisa ser preservado dentro desse processo todo, e as pessoas esquecem disso, é o cidadão que mora da Amazônia”, observou. 

Secom

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2019 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença